A retoma do trânsito automóvel na Rua Direita poderá estar condicionada ao pagamento total dos fundos comunitários. Esta informação foi avançada, na última reunião pública da autarquia, pelo vice-presidente da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, Pedro Mouro, que fez questão de relembrar que “este projecto vem do mandato anterior” e “que ninguém contestou o corte do trânsito”. Agora “não podemos fazer nada sob pena de não recebermos o restante da verba – cerca de cinco por cento – ou mesmo ter que devolver o que já foi pago” – fundamentou. Também o presidente da Câmara, Vítor Figueiredo, teve uma palavra a dizer e explicou que “o comércio em S. Pedro do Sul tem que ser visto como um todo. Ou seja, não podemos beneficiar uma rua em detrimento de outras”. Disse ainda que “temos que gerir em consciência o trânsito na Rua Direita, até porque há comerciantes que querem e há quem não queira”.

Leia notícia detalhada na edição impressa.