A última reunião pública da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul voltou a aquecer, no período de antes da ordem do dia. O presidente da Câmara, Vítor Figueiredo, e o vereador do PSD, Rogério Duarte, voltaram a trocar ‘farpas’, em alusão ao ocorrido na reunião do mês passado, quando o vereador abandonou a sessão após o autarca lhe ter tirado a palavra. Neste sentido, Vítor Figueiredo relembrou que não queria que o caso voltasse a se repetir e Rogério Duarte não gostou do que ouviu e acusou o autarca de ser prepotente, com tiques arrogantes e autoritários. Noutro ponto em discussão, quando foi relembrado pelo Edil que esta autarquia desde que tomou funções, há cerca de ano e meio, diminuiu a dívida deste órgão em mais de três milhões de euros e da Termalistur em um milhão de euros, Rogério Duarte não perdeu tempo e apelidou o autarca de: “Vítor Figueiredo, o milagreiro” e explicou o porquê: “como é que numa Câmara falida, que não tinha dinheiro nem para comprar uma bateria, em um ano se reduz a dívida em três milhões? Vou recomendá-lo para futuro Primeiro-ministro”. O presidente da Câmara não se deixou abalar e refutou dizendo que “não há santos milagreiros” e estes números “só se conseguem com muito boa gestão e a poupar em sítios onde os outros esbanjaram”. 

 

Leia notícia detalhada na edição impressa.