Sentir o ‘cheiro’ da Serra e vislumbrar a beleza que a mesma oferece nesta altura do ano, com a conjugação fantástica da urze e da carqueja, tornou, sem dúvida, a ‘expedição’ que um grupo de jornalistas e técnicos da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul fizeram a algumas localidades do concelho algo de muito especial. Passámos por Manhouce, Fraguinha, Arada, São Macário, Aldeia da Pena, Gourim, culminando na Quinta da Comenda. Para o vice-presidente da Câmara, Pedro Mouro, esta acção, integrada na iniciativa ‘S. Pedro do Sul Mais Turismo’, pretendeu “dar a conhecer parte do concelho que poderá estar esquecido. Ou seja, potenciar esta região para que os turistas venham visitar e ver que realmente há muito a oferecer”. Acrescentou neste sentido que “S. Pedro do Sul não são só as Termas, há outros locais de grande interesse”.

‘Rota da Água e da Pedra’

No âmbito da ‘Rota da Água e da Pedra’, fomos convidados a conhecer alguns destes pontos que visam mostrar as potencialidades desta região. Segundo o biólogo Paulo Pereira, no concelho há 17 pontos integrados na ‘Rota da Água e da Pedra’, numa promoção da ADRIMAG – Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras do Montemuro, Arada e Gralheira – ‘Montanhas Mágicas’, no âmbito do PRODER – Programa de Desenvolvimento Rural. Contudo, há no total 117 painéis informativos espalhados pelos sete municípios envolvidos, entre os quais está S. Pedro do Sul; e muito brevemente estará à disposição dos interessados um site e uma série de outras actividades de divulgação que poderão ser utilizados em pacotes turísticos.

Tipicidade e gastronomia

De seguida, foi tempo para o almoço - que não poderia ser em outro local - na Aldeia da Pena. Lá, a beleza típica desta aldeia de xisto envolveu-nos, e apesar das curvas e contra curvas a que estivemos sujeitos, o ar puro e a tranquilidade ajudou-nos a repor os sentidos rapidamente. A boa gastronomia nos esperava e depois de saciados rumamos à aldeia de Gourim, mais propriamente à ‘Casa Margou – Turismo Rural’. Situada no sopé da montanha, parte do acesso à referida aldeia - cerca de 5 quilómetros – foi feito com alguns solavancos à mistura e só possível de jipe, mas claramente recompensado pela paisagem que pudemos desfrutar. Voltando à Cidade, o término da expedição foi no espaço de agro-turismo, na Quinta da Comenda, com a degustação de produtos locais, em parceria com a Confraria dos Gastrónomos da Região de Lafões.

 

Leia notícia detalhada na edição impressa.