Na sexta-feira (13), domingo (15) e terça-feira (17) de Carnaval, a animação promete voltar a algumas ruas do concelho de S. Pedro do Sul, com a passagem do já tradicional corso carnavalesco. Assim, por esta altura, são várias as localidades do concelho de S. Pedro do Sul que vão receber os desfiles alusivos a esta época que, por hábito, retractam questões locais, não esquecendo a situação actual do país. E, por ser uma época de grande animação, as organizações só esperam que a chuva dê uma trégua e que o sol apareça para que o Carnaval brilhe ainda mais em terras de S. Pedro do Sul.

 Misericórdia de Santo António e Agrupamento de S. Pedro do Sul

A partir das 10 horas, do dia 13 de Fevereiro, as crianças do Jardim-de-Infância da Misericórdia de Santo António e do Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul, bem como alguns utentes do Lar da referida instituição, vão percorrer as ruas da Cidade. O percurso terá início em frente ao Jardim-de-Infância, com paragem no Centro Escolar para que as demais crianças desta instituição se juntem ao desfile. De seguida, rumo à Av. Sá Carneiro, rotunda do shopping, Rua 25 de Abril, passando pelo Largo da Feira, voltando para a Av. Sá Carneiro e retornando deste ponto à Misericórdia, onde se dará por fim o desfile. Também o carro alegórico da Misericórdia não pode faltar, pois é ele que vem animar a festa com as suas músicas tradicionais, embalando os foliões pelas ruas e fazendo ‘sorrir’ a vasta plateia que os vem ver passar.

Em Santa Cruz da Trapa

O tradicional corso carnavalesco da Vila de Santa Cruz da Trapa vai sair à rua, no dia 15 [domingo], a partir das 15 horas. A organização do evento, este ano, conta com várias parcerias, como sejam da Associação Recreativa e Cultural de Santa Cruz da Trapa (ARCSCT), da União das Freguesias de Santa Cruz da Trapa e de São Cristóvão de Lafões [que vai atribuir um subsídio às aldeias da freguesia que participem no desfile] e das povoações que integram esta freguesia. Contudo, espera ainda contar com o apoio da Câmara Municipal, de empresas da região e de demais instituições da freguesia. Todavia, no dia do desfile haverá o tradicional peditório de rua, de forma a ajudar a fazer face às despesas. Quanto à participação, fonte da organização disse-nos que “à semelhança do ano passado, após reunião com os responsáveis, chegamos à conclusão que a adesão será significativa, com a presença de todas as localidades e colectividades da freguesia”. Evidenciou ainda que, “como tal, esperamos que no desfile participem, pelo menos, 15 carros alegóricos”. Outro dado avançado pelos responsáveis é que a adesão ao evento será superior à registada no ano transacto. Ou seja, “esperamos que mais de cinco mil pessoas venham prestigiar o nosso corso” - frisaram. Em termos de foliões, a aposta vai para centenas de pessoas, havendo já a confirmação de três grupos de bombos, que são os de Campia, de São Romão e os Amigos do Bombo. Relativamente ao orçamento para o Carnaval, a direcção referiu que “apesar da crise que se tem sentido, mantemos o mesmo orçamento do ano passado – mais de cinco mil euros – porque mesmo tentando minimizar os custos, com um Carnaval desta envergadura, é-nos impossível diminuir o valor”. O desfile terá início na EBI de Santa Cruz, seguindo para o Largo do Calvário e terminando junto à extensão do Centro de Saúde. A organização informa também que quem quiser integrar o corso poderá fazê-lo no dia do desfile, até às 14 horas, junto à EBI de Santa Cruz (local onde se inicia).  A festa culminará com um concurso de máscaras, a ter lugar nos Bombeiros Voluntários de Santa Cruz da Trapa, a partir da 21 horas, com actuação do grupo ‘CS Band’.

Negrelos

Na terça-feira de Carnaval, dia 17 de Fevereiro, como já é tradição, a Associação Cultural e Recreativa de Negrelos, a partir das 15 horas, volta à rua com o seu desfile de Carnaval. Contactado o presidente da Direcção, empossado recentemente, João Maneca, disse-nos que relativamente ao orçamento para este ano, o valor deve “rondar os sete mil euros”. Quanto aos apoios, o responsável espera os provenientes da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, do comércio local e do peditório realizado no dia do cortejo, para ajudarem a fazer face “aos vários gastos”. A animação vai ser também palavra de ordem neste desfile, com a presença de “cerca de 10 carros alegóricos, mascarados e cabeçudos” – informou João Maneca. Acrescentou ainda que, “para além disso iremos contar com a presença de três grupos de bombos e a abrir o corso vai estar a Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital”. Qualquer folião, mediante contacto prévio, poderá juntar-se a festa, informou João Maneca, salientando que espera “a presença de um grande número de pessoas para verem passar o corso”. A saída do desfile carnavalesco está prevista para as 15 horas e o trajecto é o seguinte: início na rotunda de Negrelos, passando pelas rotundas da pedreira, do S. Pedro e do Lidl, rumo à Praça da República, Rua Serpa Pinto, Rua de Camões e Rua 25 de Abril, com o seu término em frente ao antigo Centro de Saúde. Após o desfile, na Associação de Negrelos, haverá um lanche convívio, seguido da actuação do Grupo ‘Meia Arte’.

Numa altura em que as duas corporações da Cidade, Bombeiros Voluntários e Corpo de Salvação Pública, se deparam com demissões de comandantes poderá ser este o momento do Agrupamento dos Bombeiros Voluntários de S. Pedro do Sul, já criado, ir para a frente. Contactados os presidentes das Direcções das corporações em causa, sobre esta possibilidade, disseram-nos que vêem com bons olhos o avançar do Agrupamento e acreditam que é este o momento de “deitar mãos à obra”. Referem também que o Agrupamento reúne todas as condições para que possam ter um quartel de raiz e um parque de viaturas operacionais capazes de acorrer às mais variadas situações que são colocadas aos bombeiros.

 

Leia notícia detalhada na edição impressa.

 

Os Bombeiros Voluntários de S. Pedro do Sul vão ficar sem comandante já no fim deste mês. Esta garantia foi-nos dada pelo Comandante em exercício, Mário Pereira, que fala com alguma mágoa sobre o que o levou a demitir-se depois de dez anos a integrar o Quadro do Comando, ficando a partir de Fevereiro a prestar serviço a esta corporação apenas como Subchefe ou Oficial de Bombeiro. Mas as demissões, não param por aqui. Também o presidente da Direcção, Gil Almeida, apresentou o seu pedido, conforme nos confirmou, “no início deste mês”, alegando “questões pessoais”, estando agora a presidência da Direcção, a cargo da então vice-presidente, Paula Carvalhas. Por sua vez, Paula Carvalhas explica que "com a saída do presidente da Direcção assumi de imediato a responsabilidade pela Corporação”. Já com a saída de Mário Pereira, a responsável adianta que “a Direcção está a estabelecer contactos, no sentido de proceder à sua substituição, ainda que interinamente, nos termos da legislação em vigor, não havendo para já um nome”.

Leia notícia detalhada na edição impressa.

A Câmara Municipal de S. Pedro do Sul aprovou, recentemente, em reunião do Executivo o apoio às colectividades desportivas, à semelhança do que tem acontecido em anos anteriores. Esta medida prende-se com o objectivo de incentivar, dinamizar e dar sustentabilidade às várias associações, no que concerne à prática desportiva, privilegiando a diversidade de modalidades e o fomento do desporto junto dos mais jovens. Assim, a autarquia sampedrense investe, até Junho, aproximadamente 75 mil euros, repartidos por dez colectividades. Colectividades estas que, na presente época desportiva, representam quase 30 equipas em competição, nos mais diversos escalões e modalidades.

Leia notícia detalhada na edição impressa.

É já no próximo dia 31 de Janeiro, que o Termas Hóquei Clube [TOC] vai apresentar as equipas de BTT e Trail, numa acção a ter lugar a partir das 16 horas, no INATEL Palace Hotel, nas Termas de S. Pedro do Sul. No que respeita ao BTT, a equipa é constituída por 16 atletas, divididos por duas distâncias: meia maratona – cerca de 40 quilómetros – e maratona – cerca de 80 quilómetros. Quanto ao Trail quatro elementos integram a modalidade. Contudo, com o passar dos anos esta modalidade foi desaparecendo, face ao reduzido número de praticantes; e, numa perspectiva de não deixar ‘morrer’ o TOC, o BTT e o Trail são agora uma das características desta colectividade. Também o facto de estarmos situados numa região rica em montanha, coadjuvada por uma beleza ímpar, impulsionou a promoção destas duas modalidades, onde os seus praticantes têm como companhia uma bicicleta [BTT] e a vontade de palmilhar o território a correr [Trail].

 

Leia notícia detalhada na edição impressa.